Sobre o que você quer saber?







quinta-feira, 27 de abril de 2017

Burnout: conheça a doença provocada pelo excesso de trabalho


Síndrome que tem sintomas parecidos com os da depressão é causada pelo esgotamento na vida profissional

Aproveite este Dia do Trabalho para refletir sobre a relação da sua saúde com a profissão que você exerce. Você sabia, por exemplo, que existe uma doença conhecida como síndrome de Burnout? Também chamado de síndrome do esgotamento profissional, o distúrbio tem sintomas parecidos com os da depressão, mas desencadeados pelo trabalho. É um estado de tensão emocional e estresse crônico, provocados por condições desgastantes de trabalho, sejam elas físicas, emocionais ou psicológicas.

Por isso, reserve hoje para refletir sobre este problema, uma das principais causas de afastamento do emprego. A Dra. Paula Fernandes, psiquiatra do Hospital Rios D’Or, responde quatro dúvidas sobre o tema:

1. Quais são as características do esgotamento profissional?

Algo diferente do estresse genérico, a Síndrome de Burnout geralmente incorpora sentimentos de fracasso. Seus principais indicadores são: cansaço emocional, despersonalização e falta de realização pessoal.



2. Como se identifica o problema?

Como qualquer tipo de estresse, a Síndrome de Burnout pode resultar em manifestações psicossomáticas. Normalmente se referem à fadiga crônica, frequentes dores de cabeça, problemas com o sono, úlceras digestivas, hipertensão arterial, taquiarritmias, outras desordens gastrintestinais, perda de peso, dores musculares e de coluna e alergias. Além disso, também podem ser notados os seguintes sintomas:

- diminuição e perda de recursos emocionais (falta de habilidade para lidar com dificuldades cotidianas que outrora eram superadas sem grande esforço);
- desenvolvimento de atitudes negativas para com outras pessoas no trabalho ou no serviço prestado, que não eram característica daquele indivíduo anteriormente;
- irritabilidade, inquietude, dificuldade para a concentração, baixa tolerância à frustração, comportamento agressivo para com os clientes, companheiros e para com a própria família;
- sentimentos de vazio, esgotamento, fracasso, impotência, baixa autoestima;
- condutas evitativas, consumo aumentado de café, álcool, fármacos e drogas ilegais, absenteísmo, baixo rendimento pessoal;
- consumo aumentado de café e álcool;

3. Qual é o tratamento?

Apesar do tratamento envolver profissionais especializados em Saúde Mental, como o Psicólogo e o Psiquiatra, nos casos em que seja possível recomenda-se procurar também o Médico do Trabalho da empresa ou outro profissional que possa ajudar a reduzir a carga emocional envolvida na atividade laborativa em questão. Mesmo assim, pode ser necessário o afastamento do trabalho por um tempo e o uso de medicamentos, conforme orientação médica.

4. Existem profissões que oferecem maior risco de esgotamento profissional?

A síndrome de Burnout é uma doença que se desenvolve como resposta ao estresse ocupacional crônico e pode ser encontrada em qualquer profissão, mas, em especial, naquelas que trabalham em contato direto com pessoas em prestação de serviço. É o caso dos profissionais das áreas de saúde, educação, assistência social, recursos humanos, bombeiros, policiais, advogados e jornalistas.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Casos de tuberculose estão relacionados a baixa imunidade

Doença é causada por bactéria que se estabelece facilmente quando o indivíduo já detém outras enfermidades

Uma das doenças mais antigas da humanidade, a tuberculose é classificada como um problema de saúde pública no Brasil. Segundo estimativas do Ministério da Saúde, a cada ano são notificados aproximadamente 70 mil novos casos com 4,5 mil mortes em decorrência da doença. De acordo com especialistas o grande índice de pessoas infectadas pela bactéria tem relação direta com o aumento de indivíduos com HIV positivo que têm em sua baixa imunidade uma porta aberta para a bactéria.

- A tuberculose é uma doença infectocontagiosa causada por uma bactéria que atinge principalmente os pulmões, mas que também pode afetar outros órgãos sendo possível que a pessoa seja infectada, mas não desenvolva a doença. Uma pequena parcela tem a manifestação clínica da tuberculose, enquanto que a maioria nunca terá conhecimento de que em algum momento adquiriu a bactéria. Pacientes infectados pelo HIV, diabéticos, em tratamento com diálise ou com drogas imunossupressoras são mais vulneráveis ao desenvolvimento da doença. O tabagismo, a desnutrição ou qualquer fator que gere baixa imunidade também favorece o estabelecimento da tuberculose – esclarece o infectologista Marcelo Gonçalves, do Hospital Barra D’Or.



A transmissão da tuberculose é direta. Ao falar, tossir ou espirrar, o indivíduo infectado expele pequenas gotas de secreção respiratória com o agente infeccioso que, se aspiradas por outras pessoas, pode contaminá-las. O contato direto entre uma pessoa com tuberculose em ambientes fechados, com pouca ventilação e ausência de luz solar também favorecem a transmissão pela bactéria causadora da doença.

O principal sintoma da tuberculose pulmonar é a tosse permanente, por duas semanas ou mais, podendo estar associada ou não a febre vespertina, cansaço excessivo, suor intenso à noite, falta de apetite e emagrecimento.

- É fundamental que o paciente procure assistência médica ao perceber os primeiros sinais.  O conjunto de sintomas e a radiografia de tórax são avaliados, mas o diagnóstico definitivo é fechado após exame que analisa a secreção excretada pelos pulmões. Com o avanço da técnica utilizada para análise é possível rastrear o DNA da bactéria para rastreamento precoce – explica o pneumologista do Hospital Barra D’Or, Dr. Renato Azambuja.

O tratamento para a doença é feito com antibióticos, mas para a cura completa é preciso que o paciente siga com a medicação durante todo o tempo indicado pelo médico, geralmente de seis meses. A interrupção antes desse período pode fazer com que o paciente adquira tuberculose multirresistente que exige tratamento mais agressivo.


segunda-feira, 17 de abril de 2017

Democráticos e populares: conheça os prós e contras da corrida de rua e do crossfit

Exercícios praticados com atenção e acompanhamento médico trazem inúmeros benefícios

Até dezembro deste ano, a Grande São Paulo receberá mais de 56 corridas de rua. Por outro lado, o número dos chamados boxes, academias de crossfit, tem se popularizado a cada ano. Esses dados mostram o crescimento e a popularização desses dois esportes. O que pode ser considerado um estímulo para deixar o sedentarismo de lado e iniciar alguma atividade física.

Enquanto a corrida se mostra mais democrática e abrangente, o que não exige muitos cuidados, o crossfit desponta como uma variação de força, que requer alguns cuidados. Não se engane, o médico do esporte do iFor, Eduardo Bernardo, hospital de ortopedia da Rede D’Or São Luiz, recomenda que antes de iniciar a prática de qualquer atividade física é necessário que o paciente seja visto pelo especialista, a fim de evitar eventuais surpresas. “Grande porcentagem da população tem problemas articulares no joelho, coluna e região lombar, mas não sabe, uma vez que não se expõe às atividades de impacto e acreditam que não precisam de acompanhamento médico”, explica.



Todo esporte, por menor que seja sua carga de impacto, pode lesionar o paciente, como é o caso da corrida. Por isso, a pessoa deve tomar muito cuidado e não praticar nenhum exercício por conta própria. Para cada um há uma técnica e postura que se precisa manter, além da necessidade de um tênis adequado e treinos individualizados.

“Cada pessoa possui uma forma física e é capaz de aguentar uma carga de treino exclusiva. Esses cuidados são importantes pra evitar problemas de saúde. Pacientes sedentários e acima do peso, por exemplo, não devem iniciar por uma corrida, mas optar por atividades sem nenhum impacto, como: bicicleta, natação, hidroginástica ou musculação. É importante ganhar um pouco de força antes de começar as atividades”, esclarece Dr. Eduardo Bernardo, médico do esporte do iFor.

Já no crossfit, justamente por sua grande intensidade, a incidência de lesões musculares é relativamente alta. Principalmente em iniciantes, que se encantam pelos exercícios e supostos benefícios e acabam exagerando nas cargas. Segundo o especialista, a falta de instrução pode levar o praticante a esse exagero e, consequentemente, às lesões. Nesse caso, demanda-se alto grau de supervisão de profissionais especializados, sobretudo para os que ainda não desenvolveram qualidades físicas mínimas para suportar os complexos exercícios. A orientação profissional vai garantir ao atleta um padrão motor para executar os movimentos da forma correta e evitar lesões.

Um estudo publicado pela Journal of Strength and Conditioning Research, em 2013, alertou para o índice de lesão extremamente alto provocado pelo Crossfit. Dos praticantes da modalidade pesquisados, 73,5% tiveram algum tipo de lesão, dentre os quais, 7% foram submetidos a cirurgias, na maioria dos casos, nos ombros e coluna.


 Por sua vez, se os exercícios forem executados com atenção e acompanhamento médico, podem trazer inúmeros benefícios. A corrida é responsável por reduzir a gordura corporal, melhorar a ansiedade, tensão, qualidade do sono, os níveis de colesterol e a força de membros inferiores, fortalece a capacidade cardiovascular e pulmonar, auxilia na redução da osteoporose e diminuição da pressão sanguínea.

No caso do crossfit, o praticante pode desenvolver todas as valências físicas de modo amplo e geral, promove aumento de força e resistência musculares, melhora o sistema cardiorrespiratório, a coordenação motora, a agilidade, o equilíbrio e a precisão, além do controle ou diminuição de peso.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Sedentarismo é responsável pelo surgimento de inúmeras doenças

Mudanças na rotina são excelentes formas de tornar o corpo ativo

Os avanços tecnológicos são grandes aliados da modernidade, mas, se utilizados em excesso, podem induzir ao sedentarismo. É comum que atividades simples, como ir até a lanchonete da esquina sejam substituídas por pedidos de comida pelo aplicativo de celular, assim como ficou mais cômodo pagar as contas sem precisar ir ao banco. 

É indiscutível a praticidade, porém as atividades cotidianas também contribuem para manter o corpo ativo. Especialistas relatam que a população atual gasta bem menos calorias por dia do que há 100 anos, e 70% da população brasileira não pratica exercícios físicos regularmente. O destaque é que mudanças simples podem contribuir para que doenças sejam evitadas.


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) é considerado sedentário o indivíduo que gasta menos de 2.200 calorias por semana em atividades físicas e ocupacionais, representando um gasto de 300 calorias por dia, equivalente a uma hora de movimento significativo. O sedentarismo é considerado um problema de saúde pública, pois pode desencadear diversos problemas como colesterol, diabetes, hipertensão, sobrepeso e obesidade. 

- Além de oferecer diversos benefícios para a saúde, a prática de atividade física também é grande aliada da saúde emocional, pois aumenta a autoestima, a autoconfiança, o sentimento de felicidade promovendo entusiasmo e otimismo. Um grande leque de opções é oferecido e não é preciso ir para academia para sair do sedentarismo. Caminhar, correr, pedalar, nadar ou jogar bola são excelentes atividades para movimentar o corpo e cuidar da saúde – comentou o ortopedista do Hospital Rios D’Or, Rodrigo Rezende.

A escolha pela atividade a ser praticada deve respeitar algumas questões como doenças pré-existentes, condição física e idade. Os limites do corpo devem ser respeitados e a consulta médica antes do início de qualquer esporte deve ser uma regra para evitar lesões musculares e/ou danos permanentes à saúde.

- Através da avaliação médica é possível identificar algumas inconformidades como hipertensão arterial, problemas cardíacos, pulmonares, entre outros. Por isso, a consultas médica prévia é tão importante. Além disso, vale ressaltar que o uso associado de estimulantes, energéticos e anabolizantes pode provocar arritmia cardíaca – detalha Dra. Olga Ferreira de Souza, coordenadora do serviço de arritmia e eletrofisiologia da Rede D'Or São Luiz.

Nunca é tarde para resgatar a saúde. A primeira regra para se tornar ativo é sair da zona do conforto e se conscientizar sobre a importância do exercício físico. Escolher uma atividade que dê prazer é fundamental para a regularidade da prática. Mudar simples hábitos como usar a escada ao invés do elevador, ir até a padaria caminhando e estacionar o carro em um lugar distante do seu destino são boas formas para dar um “chega pra lá” definitivo ao sedentarismo.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Febre Amarela: Especialista comenta principais sintomas que se assemelham a outras doenças

O forte calor associado ao período de chuvas é um fator de alerta para doenças propagadas pelo Aedes aegypti. Isso porque clima facilita a proliferação dos ovos do mosquito vetor da Dengue, Zika, Chikungunya e da Febre Amarela – enfermidade relacionada mais recentemente a esse transmissor. Os sintomas causados por estas doenças são similares e acabam causando dúvida na população, por isso, é indicado uma avaliação médica para definição da melhor conduta a ser tomada.



- A maioria das pessoas infectadas pelo vírus da Febre Amarela apresentam sintomas leves como febre e cefaleia com duração média de dois dias, mas em alguns casos o quadro clínico pode ser moderado apresentando dor muscular, nas articulações, náuseas e, em alguns fenômenos agudos, o paciente pode ter hemorragia causando icterícia, um sintoma que deixa a região dos olhos, pele e mucosas com aspecto amarelado. Não existem tratamentos médicos específicos contra o vírus. Geralmente o tratamento visa melhorar os sintomas e, em casos mais graves, pode haver reposição do sangue perdido nas hemorragias, diálise para os rins afetados e controle geral das complicações – detalha a infectologista Sílvia Oliveira, do Hospital Rios D’Or.

Combate ao Aedes aegypti – A prevenção, com a eliminação dos focos das larvas, ainda é a melhor forma de evitar a doença, mas a vacinação também é importante para a imunização contra a Febre Amarela, sendo indicada para moradores ou visitantes de áreas consideradas de risco dos 9 meses aos 60 anos de idade alcançando eficácia de até 97% com apenas uma dose, segundo a Organização Mundial de Saúde. A vacina contra febre amarela, disponível em postos de saúde e em algumas clínicas particulares, é contraindicada para gestantes, mulheres que estão amamentando, crianças até seis meses e pessoas com mais de 60 anos. Pacientes oncológicos e portadores de doenças crônicas só podem ser vacinados com indicação médica, assim como pessoas alérgicas.

Conheça os principais sintomas da Febre Amarela, Zika, Dengue e Chikungunya:



terça-feira, 21 de março de 2017

Cirurgia robótica é a indicação mais segura para procedimentos ginecológicos


Retirada de miomas, tratamento da endometriose e outras patologias se beneficiam com tecnologia cirúrgica

As doenças ginecológicas são sempre motivo de atenção. Especialistas recomendam o acompanhamento médico em consultório e realização de exames preventivos, associados aos hábitos saudáveis, para evitar complicações. Mas, quando o caso tem indicação cirúrgica, as mulheres podem ser beneficiadas pela tecnologia na medicina, recebendo um tratamento mais resolutivo e minimamente invasivo. A cirurgia robótica é a opção mais recomendada para o tratamento dos miomas uterinos, da endometriose profunda e do câncer ginecológico pélvico.

- A indicação de procedimentos minimamente invasivos, auxiliados pela robótica, tem como benefícios principais a preservação da fertilidade e das estruturas anatômicas, assim como melhores condições no pós-operatório. Anterior a esta tecnologia, era comum que as mulheres tivessem que ser submetidas a procedimentos mais invasivos, radicais e com maior risco de hemorragias e infecções. Hoje, esta realidade pode ser alterada devido a evolução da tecnologia na medicina, que vem a beneficiar tanto o paciente quanto ao cirurgião. A robótica tem um ganho significativo em relação a laparoscopia e inigualável a cirurgia aberta, com menor dor pós-operatória, recuperação mais rápida e retorno precoce às atividades cotidianas – esclarece Dr. Michel Zelaquett, ginecologista especialista em miomas uterinos e cirurgião em robótica do Hospital Quinta D’Or.



A cirurgia robótica ginecológica é indicada para procedimentos de alta complexidade, que requerem cada vez mais precisão para sua realização. Pacientes diagnosticadas com doenças benignas como miomas uterinos e endometriose, podem ser submetidas a cirurgia robótica, tanto no intuito de preservação do útero e da fertilidade, quanto para a histerectomia (retirada do útero), quando necessário. Além disso, esta tecnologia também é amplamente empregada para o tratamento do câncer de colo uterino, de endométrio e ovário, com ótimos resultados em relação ao tratamento da doença, associado a uma rápida recuperação da paciente. Hoje, o Hospital Quinta D’Or, através de seus cirurgiões altamente especializados, é a maior referência no Rio de Janeiro para procedimentos ginecológicos através da cirurgia robótica.

Tecnologia a Serviço da Mulher – A cirurgia robótica tem sido indicada para diversos procedimentos em ginecologia, como miomectomias (cirurgia para retirada dos miomas e preservação do útero), histerectomias desde as mais simples até as mais complexas, reconstruções pélvicas, endometrioses severas e para o tratamento do câncer ginecológico. O procedimento minimamente invasivo gera muitos benefícios para as pacientes, como a realização de cirurgias mais seguras com redução de complicações hemorrágicas e infecciosas, recuperação mais rápida e menos dolorida, fazendo com que o retorno às atividades diárias seja acelerado.

Integralidade na assistência – O conceito de Centro de Saúde da Mulher, implantado no Hospital Quinta D’Or, caracteriza a interligação dos serviços destinados aos cuidados femininos. Contemplando desde atendimento em consultório, exames de diagnóstico de alta tecnologia e tratamentos cirúrgicos, os especialistas atuam de forma integrada gerando melhor resultado e assertividade à assistência. Além disso, toda a equipe está fundamentada na humanização, para atender de maneira personalizadas, com acolhimento e empatia as pacientes, proporcionando um ambiente mais confortável e seguro.

Cirurgia Robótica – Os benefícios da cirurgia robótica têm sido potencializados através da capacitação de todos os especialistas – compromisso da Rede D’Or São Luiz que, desde 2016, atua com um programa especial de treinamento de robótica para seus cirurgiões, com certificação internacional de qualidade, contribuindo na qualificação dos especialistas, o que resulta em procedimentos mais seguros. Ao todo, 1000 cirurgias robóticas já foram realizadas na Rede D’Or São Luiz, nos hospitais que alocam os seis robôs Da Vinci – modelo mais moderno no Brasil: em São Paulo, no Hospital São Luiz - Unidade Itaim, Hospital São Luiz - Unidade Morumbi, e Hospital e Maternidade Brasil; em Pernambuco, no Hospital Esperança Recife; e no Rio de Janeiro, no Hospital Quinta D’Or e no Hospital CopaStar.

Além da ginecologia, outras especialidades operam com esta tecnologia: urologia, cirurgia bariátrica, oncologia, tórax, entre outras. Os hospitais da Rede D’Or São Luiz estão credenciados com a patente Da Vinci Surgery, e todo o procedimento é muito seguro. O braço do robô é o responsável por segurar as pinças introduzidas no paciente para a cirurgia – com total precisão, e quem controla todos os comandos são médicos altamente treinados para a realização da cirurgia robótica.




terça-feira, 14 de março de 2017

Real D’Or é o novo hospital da Rede D’Or São Luiz, com perfil materno infantil


Inauguração da unidade marca o investimento do grupo nas especialidades

Desde 13 de março, as gestantes da Região Oeste à Norte do Rio de Janeiro podem usufruir dos serviços do novo hospital da Rede D’Or São Luiz – o Real D’Or. Destinado ao atendimento materno infantil, com estrutura moderna e tecnológica, o hospital supri a demanda do serviço de maternidade na região, oferecendo o que há de mais seguro em assistência hospitalar e qualidade.

- O atendimento do Real D’Or é completo e integrado. A equipe de assistência altamente qualificada atua com o suporte tecnológico para a realização de exames, partos normais e cesáreas, contando ainda com o suporte de UTI neonatal e pediátrica – declara o diretor executivo do hospital, Dr. Ricardo Calado.

O novo hospital conta com serviço de emergência obstétrica, atendimento a gestantes em caso de urgência, assim como eletivo. O investimento de 20 milhões contempla a adequação da estrutura predial, aquisição de equipamentos de alta tecnologia e ambientação humanizada.



- O Real D’Or já inicia seu funcionamento objetivando a certificação através da Organização Nacional de Acreditação Hospitalar, pela qualidade e segurança na assistência aos pacientes. O hospital tem estrutura e equipe capacitadas para que esse objetivo seja atingido o mais breve possível – afirma a diretora médica da unidade, Dra. Adriana Campos.

Parto Humanizado – O Hospital Real D’Or tem como um dos destaques a realização do parto humanizado, com uma equipe preparada para conduzir o nascimento, respeitando o tempo natural e emocional da mãe e do bebê, e contribuindo na condução do parto com menos intervenção possível, sem deixar de propiciar uma condição segura. O mais indicado é que os cuidados se iniciem desde o pré-natal, quando a mãe além de sua saúde se prepara emocionalmente para a experiência de dar à luz.

- Humanizar o parto é uma proposta que integra condutas e procedimentos afim de que mãe e filho possam vivenciar a experiência do parto natural. No Hospital Real D’Or, esta gestante encontra um ambiente acolhedor e uma equipe ciente de seu papel de contribuição no processo, oferecendo técnicas que possam minimizar as conhecidas “dores do parto”, como o estímulo a caminhada e o banho de chuveiro ou banheira, para que esta gestante e o bebê tenham bem-estar físico e emocional – destaca Dra. Glaucimara Gonzaga Nunes, Coordenadora do serviço de obstetrícia do hospital.

Estrutura – A nova unidade segue o conceito moderno e de excelência da Rede D’Or São Luiz, e oferece segurança, conforto e comodidade aos pacientes, acompanhantes e seus familiares, assim como para os médicos obstetras assistentes. O Hospital Real D’Or associa sofisticados equipamentos e uma equipe altamente qualificada e acolhedora, destacando a qualidade da assistência humanizada.

O Real D’Or coloca à disposição dos cirurgiões obstétricos um moderno centro cirúrgico, composto de três amplas salas, além da sala de parto humanizado. Uma equipe qualificada, tendo o suporte de equipamentos modernos, monitora com segurança os bebês que, após o nascimento, requerem cuidados especiais, nos 12 leitos da UTI Neonatal. O mesmo serviço é comtemplado na UTI pediátrica, que dispõe de 8 leitos.

Além disso, os dois andares de internação obstétrica oferecem excelente estrutura e possuem berçários dedicados a cada andar. Além disso a unidade trabalha com o modelo de alojamento conjunto, possibilitando que mãe e bebê estreitem os laços após o nascimento, estimulando, inclusive a amamentação. O ambiente conta com modernos dispositivos e mobiliário hospitalares, com hotelaria priorizando o conforto, funcionalidade e bem-estar.

O serviço de maternidade permite que a mãe e a criança tenham acesso imediato a todos os exames necessários antes e após o parto, como teste do pezinho, orelhinha, hemogramas, exames cardiológicos, entre outros. A estrutura de diagnóstico por imagem ainda é composta por aparelhos de ultrassom, tomografia pediátrica e raio x.

Curso para gestantes – A proposta do Hospital Real D’Or é contribuir, inclusive, com conhecimento das mães e familiares. Periodicamente serão oferecidos cursos de gestantes, com a participação de especialistas do novo hospital, repassando informações e cuidados essenciais nos primeiros dias e meses do bebê.

Atendimento Pediátrico – Estendendo os cuidados, o Hospital Real D’Or também oferece estrutura especializada para o tratamento e atendimento infantil – crianças e adolescentes, até os 14 anos. O serviço vai acolher os pacientes em casos de urgências e emergências infantis.  A equipe médica especializada e altamente qualificada, tem como diferencial o carinho e a humanização no atendimento aos pequenos pacientes. O serviço de pediatria conta ainda com uma completa UTI pediátrica para suporte aos pacientes da emergência, assim como para os pacientes em pós-operatório de cirurgias mais complexas.

terça-feira, 7 de março de 2017

Conheça mais sobre o Robô Da Vinci Si

O sistema cirúrgico robótico Da Vinci Si é composto por três unidades: um console de comando com binoculares e “joysticks” para controle dos braços, local onde fica o cirurgião; uma torre de vídeo que une as informações do sistema; e o console do paciente, composto pelos quarto braços mecânicos com câmera e instrumentos cirúrgicos.



Os instrumentos utilizam pequenas incisões para acessar a área a ser operada, assim como acontece na cirurgia laparoscópica pura. Embora seja conhecido como “robô”, este sistema não executa atividades com autonomia, ele reproduz os comandos, em tempo real, do cirurgião de uma maneira sutil.

Comparado à cirurgia laparoscópica convencional, isso é um grande ganho, já que até o momento eram utilizadas visão 2D e instrumentos menos articulados, que dificultavam os movimentos mais detalhados do profissional. O sistema cirúrgico de alta tecnologia utiliza visão de alta definição em 3D e braços mecânicos que eliminam qualquer possibilidade de tremor, pois reproduzem com precisão os movimentos do cirurgião de uma maneira mais delicada, harmônica e muito estável.